Tagged: Nascar

Até que enfim, vitória!

Depois de quatro segundos lugares e dois terceiros, a vitória veio no campeonato Experience Truck Series, promovido pela Liga Web Virtual Racing. O palco da conquista foi no circuito oval de Phoenix na última quinta-feira (18/05) .

Com o resultado passei a liderar o campeonato restando duas etapas. A próxima corrida é nesta quinta no pequeno circuito oval de Lanier.

Confiram como foi essa minha primeira conquista na Web Virtual Racing.

 

Mais um 2º lugar pra conta!

 

Quem me conhece sabe que curto automobilismo virtual e participo de algumas competições. Pra quem não sabe, o automobilismo virtual é a disputa online de corridas usando simuladores de corridas, respeitando regras e condições do automobilismo real.

Nesta temporada (que no AV significado um campeonato de até 4 meses) estou participando, entre outras ligas, da Web Virtual Racing, uma liga nova que utiliza o simulador iRacing como base de suas disputas. Estou correndo na categoria Experience Truck Series, que utiliza as antigas trucks da Nascar num calendário com 10 etapas, sempre realizado as quintas feiras.

A última corrida foi realizada no dia 4 de maio e válida pela 6ª etapa do torneio. Corremos na pista de Thompson, um oval bem curto dos Estados Unidos. Ainda não foi desta fez que cheguei a vitória, mas fui o 2º colocado (pela 3ª vez) e ocupo também a segunda colocação na tabela de pontos.

Quer assistir a corrida? Sim, temos transmissão ao vivo pelo Youtube e dá pra acompanhar o VT abaixo. Vou deixar também algumas informações sobre a liga para quem se interessar em participar.

Liga Web Virtual Racing – site: http://www.webvirtualracing.com.br/

Simulador iRacing: http://www.iracing.com

Ah, na próxima quinta feira teremos a 7ª etapa, no oval da Charlotte, a partir das 22h.

A profissão e a diversão

Stewart_sprintcar
Stewart a bordo de seu Sprint Car

Quem acompanha a Nascar acordou com a notícia do acidente de Tony Stewart na noite de segunda-feira em uma prova de Sprint Cars num oval de terra em Oskaloosa, Iowa. Tricampeão da principal divisão da Nascar, Stewart fraturou a tíbia e a fíbula da perna direita após colidir com um veículo lento na pista enquanto liderava a prova. O piloto foi encaminhado a um hospital e passou por uma cirurgia para a correção das fraturas e terá que passar ainda por outro procedimento cirúrgico nesta semana. Dessa maneira, “Smoke”, como é conhecido na categoria, ficará afastado de algumas provas da Sprint Cup e praticamente dá adeus a sua participação na fase final da temporada 2013, o “Chase for the Cup”.

O efeito imediato do acidente de Stewart é sua ausência na prova deste fim de semana da Sprint Cup no circuito misto de Watkins Glen, justamente onde o piloto é o recordista de vitórias com cinco conquistas. Vários nomes foram cogitados para assumir o volante do Chevrolet 14, entre eles o do brasileiro Nelsinho Piquet, mas quem ficou com a vaga foi o italiano Max Papis, que havia testado pela equipe na semana passada em Road Atlanta e se tornou a escolha mais óbvia, pois ocorrerá uma sequência no trabalho iniciado nos testes.

Outro efeito do acidente da última segunda-feira é a discussão sobre a participação de pilotos profissionais em outras categorias. Assunto comum quando se trata de Fórmula 1 e esteve no auge quando ocorreu o acidente de Robert Kubica em uma prova de rali em fevereiro de 2011. O polonês ficou afastado da Fórmula 1 e comprometeu todo o trabalho de sua equipe, a Renault, para aquela temporada da categoria. A mesma discussão ocorreu em 2009 quando Mark Webber quebrou a perna em um acidente de bicicleta ou quando Juan Pablo Montoya perdeu duas provas na temporada de 2005 quando teria caído de moto em seu ano de estréia na McLaren.

Mas mesmo na Nascar, a discussão é antiga. Em 2006 Dale Earnhardt Jr. perdeu a chance de lutar pelo título após sofrer queimaduras em um acidente numa etapa da American Le Mans Series em Sonoma.

Stewart é o que podemos chamar de “racer”, o cara q gosta de correr seja lá onde for. E um dos seus maiores prazeres são os Sprint Cars, pequenas gaiolas equipadas com potentes motores V8 e aerofólios enormes. Ele chega a participar de cerca de 70 provas na modalidade por ano, mas uma série de acidentes levantou a questão do prejuízo que o seu “passatempo” pode trazer a sua carreira na Nascar. A morte de Jason Leffler em um carro da modalidade mostrou que o risco existe e esta batida foi a terceira consecutiva de Stewart no pequeno veículo.

Inclusive, a decisão de Tony em se tornar dono de equipe veio justamente da intenção de poder se dedicar mais a essas corridas, o que não era visto com bons olhos por seu antigo chefe, Joe Gibbs. Mas resta saber como que os patrocinadores vão reagir a sua ausência por algumas etapas na condução do carro 14, o principal de sua equipe. Lembrando que o outro carro do time Stewart-Haas, pilotado por Ryan Newman, está com sua sequência ameaçada para 2014 justamente pela dificuldade de encontrar patrocinadores.

Ou seja, se as coisas já não iam bem na Stewart-Haas, podem ficar ainda piores.

Acidente de Stewart em Canandaigua

A capotagem em Ontario

E o acidente que lhe causou as duas fraturas na perna direita

Nascar: Cabo de câmera fere dez fãs e danifica carros em Charlotte

Díficil falar em acidente bizarro em uma categoria que já teve um caminhão turbina explodindo e incendiando toda a extensão da curva três de Daytona, mas acreditem, aconteceu de novo na Nascar. Durante a corrida do último domingo (26 de maio) em Charlotte, um cabo de nylon de uma câmera de TV se soltou, caindo sobre as arquibancadas e pista. O resultado foram dez expectadores feridos dos quais três seguem internados em dois hospitais da região, além de três carros danificados, entre eles o do líder da “Coca Cola 600”, Kyle Busch. A vitória ficou com Kevin Harvick

A bandeira vermelha interrompeu a prova por trintas minutos para a retirada do cabo, atendimento dos feridos e o reparo dos carros danificados. A Fox, responsável pela câmera, se desculpou pelo ocorrido e demonstrou a preocupação com os torcedores feridos.

A reação dos pilotos

E como se trata de Nascar, mais batidas da prova de ontem:
O Big One:

Não era dia do Jimmie Johnson…

…nem da Danica Patrick

Nascar: Show do Milhão!

Neste sábado (18 de maio), a Nascar tem o seu grande show. Isso mesmo, hora de esquecer um pouco de campeonato e vagas no Chase e só pensar no público, em vitória e no dinheiro. Sim, muito dinheiro. É o All-Star Race, evento que reúne os melhores pilotos da categoria em busca de 1 milhão de dólares e que tem a participação dos torcedores na escolha de um competidor para participar da festa.

Jimmie Johnson comemorando a vitória no All Star-Race em 2012. Foto:Chris Graythen/Getty Images
Jimmie Johnson comemorando a vitória no All Star-Race em 2012. Foto:Chris Graythen/Getty Images

O critério para participar do evento é extenso. Podem disputar a prova os pilotos que venceram corridas na principal divisão da Nascar, a Sprint Cup, em 2012 e 2013; Ganhadores do All-Star Race nos últimos dez anos; Campeões da Sprint Cup nos últimos dez anos; os dois primeiros colocados no Showdown, corrida preliminar com 40 voltas para os pilotos que não se encaixam em nenhum critério acima; e ainda um piloto escolhido pelo público que tenha terminado o Showdown na volta do líder e que tenha o carro em condições de participar do All-Star Race.

Dessa maneira, é esperada a participação de 22 pilotos nas 90 voltas da competição que vai dar 1 milhão de dólares para o vencedor. O All-Star Race será dividido em cinco segmentos, quatro deles com 20 voltas de duração e o segmento final com apenas dez voltas. Para evitar que um piloto poupe seu equipamento nos primeiros segmentos e parta para o ataque somente na fase final, a Nascar vai dar mais 1 milhão de dólares caso um piloto vence todos os cincos segmentos da prova.

E a complexidade do evento não para por aí. Ao final do quarto segmento, os pilotos terão de fizer um pitstop com a troca de quatro pneus, mas antes de entrarem nos pits, a bandeira amarela será acionada e o pilotos realinhados de acordo com a média da posição de chegada nos quatro segmentos. Em caso de empate, a posição no quarto segmento será usada no desempate. E a ordem de saída dos pits formará o grid para as últimas dez voltas. Ufa!

Mais curiosidades sobre o All Star-Race:

Waltrip_allstar1985
Darrel Waltrip no circulo da vitória da primeira edição do All Star-Race em 1985. Foto: RacingOne/Getty Images
  • Esta será a 29ª edição do evento
  • Somente uma vez o evento não realizado em Charlotte. Em 1986 a prova aconteceu em Atlanta
  • Darrel Waltrip foi o vencedor da primeira edição do All Star-Race
  • Dale Earnhardt (1987, 1990, 1993), Jeff Gordon (1995, 1997, 2001) e Jimmie Johnson (2003, 2006 e 2012) são os maiores vencedores da competição
  • Mark Martin, com 23 participações, é o piloto com mais presença na prova
  • Dale Earnhardt Jr (2000) e Ryan Newman (2002) são os únicos a vencerem a competição em seu ano de estreia na Nascar Sprint Cup

Confira os pilotos que participarão do All Star-Race

1) #20-Matt Kenseth – Venceu a Daytona 500 de 2012; ganhador do All Star-Race em 2004; campeão da Sprint Cup em 2003
2) #11-Denny Hamlin – Venceu a etapa de Phoenix em fevereiro de 2012
3) #99-Carl Edwards – Venceu a etapa de LasVegas em fevereiro de 2012; ganhador do All Star-Race em 2011
4) #14-Tony Stewart – Venceu a etapa de Las Vegas em março de 2012; ganhador do All Star-Race em 2009; campeão da Sprint Cup em 2002, 2005 e 2011
5) #2-Brad Keselowski – Venceu a etapa de Bristol em março de 2012; campeão da Sprint Cup em 2012
6) #39-Ryan Newman – Venceu a etapa de Bristol em abril de 2012; ganhador do All Star-Race em 2002
7) #16-Greg Biffle – Venceu a etapa do Texas em abril de 2012
8) #18-Kyle Busch – Venceu a etapa de Richmond em abril de 2012
9) #48-Jimmie Johnson – Venceu a etapa de Darlington em maio de 2012, ganhou o All Star-Race em 2003, 2006, 2012; campeão da Sprint Cup em 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010
10) #5-Kasey Kahne – Venceu a etapa de Charlotte em maio de 2012; ganhou o All Star-Race em 2008
11) #22-Joey Logano – Venceu a etapa de Pocono em junho de 2012
12) #88-Dale Earnhardt Jr. – Venceu a etapa de Michigan em junho de 2012
13) #15-Clint Bowyer – Venceu a etapa de Sonoma em 2012
14) #24-Jeff Gordon – Venceu a etapa de Pocono em agosto de 2012
15) #9-Marcos Ambrose – Venceu em Watkins Glen em 2012
16) #29-Kevin Harvick – Venceu a etapa de Phoenix em novembro de 2012; ganhador do All Star-Race em 2007
17) #34-David Ragan – Venceu a etapa de Talladega em maio de 2013
18) #78-Kurt Busch – Ganhador do All Star-Race em 2010; campeão da Sprint Cup em 2004
19) #55-Mark Martin – Ganhador do evento em 1998 e 2005
20) vaga destinada ao vencedor do Showdown
21) vaga destinada ao segundo colocado no Showdown
22) Vaga destinada ao piloto escolhido pelo público

F-Indy: O teste de Kurt Busch em Indianápolis

Kurt Busch Indinapolis
Kurt Busch acelera o carro da Indy em Indianapolis. Foto: Indycar.com

Para a surpresa de todos, o norte-americano Kurt Busch fez um teste pela equipe Andretti de Fórmula Indy no lendário circuito de Indianápolis. Com o carro do atual campeão Ryan Hunter-Reay, Busch completou as três fases do programa de orientação aos novatos no circuito e conseguiu a licença necessária para poder participar dos treinos e até da corrida mais importante da categoria, a “500 Milhas de Indianapolis”. Busch atingiu a velocidade de 218,210 milhas por hora (351,089km/h) de média na melhor de suas 83 voltas percorridas.

MIchael Andretti e Kurt Busch posam parafotos após teste em Indianapolis. Foto: Indycar.com
MIchael Andretti e Kurt Busch posam parafotos após teste em Indianapolis. Foto: Indycar.com

Mas não espere que o campeão em 2004 da principal divisão da Nascar esteja no grid da edição 97 da corrida. No mesmo dia 26 de maio está marcado a prova mais longa do calendário da Nascar, a “Coca Cola 600”, em Charlotte. E apesar dos horários até permitirem a participação nas duas competições, Kurt não se acha pronto fisicamente para o desafio, mas faz um aviso: “Este não é um projeto para daqui um mês, e sim para daqui 13 meses”, disse o piloto, deixando a porta aberta para tentar uma jornada dupla no último final de semana de maio de 2014. Três pilotos participaram das duas corridas no mesmo dia: John Andretti, Robby Gordon e Tony Stewart, mas somente este último completou as duas provas.

Além de aproveitar a oportunidade de aclerar o carro de uma outra categoria, o que esse teste de Busch pode significar:

  • Sem espaço em uma equipe de ponta na Nascar, Kurt Busch pode tentar uma difícil e arriscada mudança de categoria, já que a Indy ainda carece da presença de um piloto norte-americano forte. Mas acho dificil essa mudança. Se está complicado para A.J. Allmendinger se readaptar aos monopostos, imagina para Busch que teve toda sua carreira direcionada aos pesados carros de stock car.
  • A aproximação de Michael Andretti com a Nascar. Muito se cogitou na temporada passada que a Andretti Autosport estaria pronta para iniciar suas operações na stock car norte-americana. Kurt Busch seria um bom nome para liderar o time numa categoria desconhecida, pois tem experiência e capacidade para isso, apesar do temperamento agressivo do piloto e o histórico recente de confusões nas equipes por onde passou.

Veja um vídeo do teste de Kurt Busch em Indianapolis, postado no Pezzolo.tv